MADEIRA WENGUÉ

Millettia laurentii
Proveniência

É conhecida como wengué a madeira produzida pela árvore tropical Millettia laurentii, uma espécie localizável na África oriental, principalmente nos Camarões, no Congo, no Gabão, em Moçambique e na Tanzânia. Além disso, costuma ser comercializada sob o mesmo nome da madeira obtida da árvore panga-panga (Millettia stuhlmannii) pelas similaridades de cor, textura e propriedades. A madeira wengué recebe também o nome de jambire, messara, mpande e awoung, e está classificada como espécie ameaçada desde 1998.

 

Cor

A madeira wengué apresenta uma cor castanha muito escura com finas listras pretas. É uma das madeiras mais escuras, juntamente com o ébano, e tende a escurecer mais com o tempo se não estiver exposta à luz do sol.

 

Textura

madeira wengué tem uma composição densa e dura, a fibra é reta e o grão varia entre o médio e o grosseiro.

 

Durabilidade

É um dos materiais mais fortes do mercado, por isso a madeira wengué resiste muito bem às térmitas e à humidade.

 

Características

A madeira wengué manipula-se com dificuldade devido à sua dureza, sendo muito difícil de colar e pregar devido aos taninos na sua superfície. A sua manipulação deve realizar-se com a proteção adequada para não haver riscos de irritação na pele e nos olhos causados pelo pó que sai da madeira ao ser cortada. Não obstante, a madeira wengué apresenta riscos mínimos de deformação ao ser manipulada com máquinas. O borne é medianamente impregnável, ao contrário do cerne que praticamente não impregna nada, e a sua secagem é lenta.

 

Utilizações

A madeira wengué emprega-se fundamentalmente na elaboração de instrumentos musicais, no fabrico de marcenaria fina e mobiliário torneado e curvado, em carpintaria de interior (portas, escadas, revestimentos, molduras, rodapés, frisos e parquets) e de exterior (portas e janelas), pavimentos e folheados decorativos.